Uso de aplicativo e redes sociais fora do horário de expediente pode se transformar em horas extras

Uso de aplicativo e redes sociais fora do horário de expediente pode se transformar em horas extras

A separação entre vida pessoal e profissional também precisa de linhas claras dentro dos aplicativos de mensagens instantâneas como o Whatsapp. Quem chama atenção para esse cuidado é o advogado Douglas Matos, advogado trabalhista de Silveiro Advogados.

 

“Basta lembrar de quando surgiram os pagers, ou quando o e-mail se tornou uma ferramenta popular, e depois os próprios celulares. As tecnologias mudaram, mas o entendimento sobre privacidade entre trabalho e residência permanece inalterado”, avalia.

 

Para ele, os colaboradores devem ter cuidado ao se referir a outros colegas e superiores hierárquicos nas conversas por meio de aplicativos durante a jornada de trabalho. Regra similar também vale para a empresa: a exigência de tarefas após o expediente pode se caracterizar como ampliação da jornada de trabalho, dependendo de cada situação.

Matos prossegue avaliando que “nas redes sociais, podemos dizer que todos somos clientes e vendedores.

 

Representamos muito mais do que nome e sobrenome. A imagem de muitas pessoas estão ligadas diretamente aos locais onde exercem suas atividades. Contudo, muitas vezes essa noção é esquecida devido à informalidade das redes sociais e da rotina. Essas ferramentas digitais podem ser aliadas valiosas, ou elementos negativos para o usuário e para a empresa”.

 

As empresas, por outro lado, devem instituir políticas claras sobre o uso de aplicativos com acesso à internet, bem como orientações aos empregados e fiscalização da correta utilização de tais ferramentas. “Na hora de publicar algo nas redes sociais, a regra é clara aos colaboradores: tenha bom senso e, em caso de dúvida, questione-se sobre a necessidade real de tornar público aquilo que se tem em mente”. Fonte: Segsaccounting-information-systems-glasses-accountant